Cativeiro

 

 

 

 

Só quero
o que me vence
teu amor
antes que pense
em liberdade.

Antes que seja livre

que eu  tenha saudades.

 

 

 

 

 

Anúncios

 

“Amor de Menino”

 

 

-Mãe, mãe! Tô perdido.

-O que você tem menino?

-Preciso de alguém

que talvez ,

não precise

de mim.

– E o que você quer,

ter certeza?

-Não!

Quero saber

O que eu digo,

pra enganar

à ela,

que sim.

 

 

 

 

 

An’ceia

 

Estive lá, éramos treze ao todo. As mulheres nos faziam às vezes da ceia. Ele estava no meio. Estranho porque nunca sentou ali. Aquele dia todo, havia feito coisas estranhas. Mais cedo pela manhã, irritou-se com uma criança que lhe esbarrou, manchando-lhe a túnica, de ocre vermelho. Pareceu outro, talvez aquilo teria lhe soado como um mau presságio, um anúncio, ou uma intimação. E quando a tarde um de nós se ausentou por algumas horas, mais uma vez ele mostrou-se alterado, outro novamente. retrucava: -Onde foi aquele um que ao regresso, antecede-lhe o crepúsculo? Estávamos nos preparando para a ceia, e enquanto esperávamos a mesa, as mulheres  terminarem os preparos, todos, conversávamos, exceto ele. Contemplava sozinho alguma dúvida ou certeza, o que provavelmente seria motivo de sua alteridade durante aquele dia. A hora da ceia quando as mulheres iam nos servir o cordeiro, ofegante, adentra o um, adiantado  do crepúsculo. Todos pararam de conversar, ambos pareceram assustados. Ele que o esperava mais que todos nós, e o um, que parecia ter adentrado à porta errada. Como estivesse em casa de estranho. Estranho isto; o um, ofegante e perdido de seu destino. Ele assustado com o súbito de sua chegada. Para além disso, um cordeiro imolado sobre a mesa. Ele pareceu completamente transtornado, a calma que talvez tivera encenado durante todo dia, desmanchou-se ali, como a massa de um pão muito fino na ávida saliva da boca de um mendicante. Como estivesse diante de martírio tremendamente gigante, e era só um cordeiro.

 

 

 

Sóliloco-me’madrugandade

Em uma rua escura, qualquer forma de divagação parece mais pura. No raro divagar de minhas mile-sete dúvidas, comia as dívidas com farinha, quitando-as como pensalimentos. Muito mais me valia a sombra do silêncio madrugau, aos gritos do amanhecer clarisignificante. De treva enfante, elefantescurilimpido era meu pensalmento. Se fosse por passos no chão, poriáridos trevóspitos funebrofilhos dos pés. Todos ideos, de idéia indignifluidativos do claro. Claribrunos claustroefemeros. A brisainflexa nostalginfante da madruagrada, de sorteio vens-por-outra, me in’condenar. O Orion’in’zonte des’proximeinfunda o breumimstério, grita-me vous-TU; “est-ti etério!”. Luzi o poste e aluzividalumem re’fita eubreu. Sólen’passos con’ti-nos coninhosonhos, nós… dé’je’vous! Acordadocarceri riavindo sem sais-de-sonho, amarrincendo os passoniferossímeos ao noitistício do dia. A noite c’alma me diz’ponhorizontilíneo, in’direção à mor’Radha de Mor’fel morrinfindificando o vivinfluxolocáustico diasporirônico dia. Diaguironistificava a hora, oraçãoinsanilidica do domíningo que er’dà noite. Naquiela noite’nuncà cheguei, nu meu des’tino zanzatinei para uma coisa, assacinanada as’pirei a clarada’sombr,à magrudade id’éia de madrugandade.